12.09.2009

Como Querer Muito Pouco

Siga-me no Twitter e Facebook.

Há dois desafios que as pessoas enfrentam quando escolhem viver uma vida mais simples: possuir pouco e querer pouco.

 No entanto, as pessoas juntam estes dois desafios num objectivo maior " ter vida simples". Infelizmente, estes são dois monstros diferentes que precisam ser domesticados cada um da sua maneira.


Possuir pouco exige uma abordagem prática – sistematicamente eliminar o que é desnecessário na sua vida, básicamente consiste em organizar e deitar fora.

Querer pouco, por outro lado, centra-se na maneira como pensamos, um aspecto muito mais obscuro da simplicidade.

Sinceramente, é difícil querer pouco. Vai contra os nossos desejos profundamente enraizados, de posse e segurança. Acabar com este apego psicológico requer mais do que seguir um processo passo-a-passo ou uma lista de táticas. É preciso uma mudança no seu pensamento, uma mudança na maneira de abordar o seu dia-a-dia e na maneira como toma decisões.

1. Tenha uma visão para sua vida. Os objectivos são instrumentos úteis para ir do ponto A para B, mas muitas vezes têm falta de profundidade, emoção e significado, e sem essas três coisas vai sentir falta de propósito e motivação.
Pense sobre o estilo de vida que quer como um todo, em vez de simplesmente se concentrar no desejo de querer muito pouco. O que quer possuir? Como vai passar o seu tempo? Onde você estará? Seja específico.

Este esquema funciona como um funil. O deesejo de ter mais pode tentar inundar a sua vida, mas se tiver claramente definido o que lhe interessa, apenas as coisas favoráveis ao seu objectivo vão passar através deste funil. Assim torna-se muito mais fácil dizer "não" a alguma coisa que sabe que não faz parte do seu propósito.



2. Encontre sua motivação. Qual é o seu motivo? Porque quer pouco? Por ser moda, infelizmente, não é motivo suficiente para saciar a sua sede por coisas. Pessoalmente, quero pouco, porque prefiro guardar o meu dinheiro para fazer grandes viagens pelo mundo, e acumular montes de roupa e sapatos não ajudam exatamente a conseguir isso.
Aqui estão algumas razões comuns:
• Poupar dinheiro - para a reforma, viajar, ajudar os filhos, etc.
• Eliminar o stress.
• Ter mais tempo livre e poder trabalhar menos, limpar menos, e arrumar menos.

Não seja minimalista só por ser. Tem de agir de forma propositada e deliberada na sua busca por querer pouco.

3. Experimente os benefícios. Não importa quantas vezes ouve os benefícios de querer pouco, ou visualiza a sua motivação com toda a intensidade do mundo, experimentar um estilo de vida sóbrio será sempre a melhor maneira de passar da mentalidade de "querer mais" para a de "querer pouco".

Existem maneiras de o fazer para além de simplesmente deitar fora tudo que tem:

• Planeie umas férias curtas, e leve o mínimo possível, incluindo qualquer tipo de tecnologia ou de acessórios de moda. Ponha na mala apenas o essencial.

• Escolha uma divisão da sua casa para transformar em uma zona não-materialista. Retire tudo o que for possível dessa divisão e arrume noutro sitio. Note a diferença na tranqüilidade quando passar das divisões normais para essa zona.

• Visite locais que são naturalmente organizados e simples. Templos budistas ou jardins japoneses vêm-me imediatamente à mente como sendo lugares minimalistas, sem nada superfulo.

4. Seja evasivo. As decisões tornam-se assustadoras quando se tornam compromisso sérios. Noutras áreas da vida ter um pouco de medo pode até ser uma boa coisa, mas é algo desnecessário e indesejável enquanto se esforça por eliminar o desejo de possuir mais - o desafio já é difícil o suficiente por si só.

Não há nenhuma linha a cruzar, nem nenhuma montanha que deve superar. É um estilo de vida do qual pode desistir a qualquer altura, uma atitude que em nada restringe a sua capacidade de escolher. Passeie pela rebentação antes de mergulhar no fundo do mar.

5. Compreender a psicologia da influência. Marketing e vendas fazem parte deste mundo e é uma tolice apontar o dedo a estes sectores, porque na realidade somos todos os marketeers e comerciais - todos os meios de subsistência são alimentados por estes serviços. Mas isso não significa que se deva cair nas armadilhas e truques do marketing e publicidade.

Comece a ler sobre o tema, sobre a manipulação do marketing, compreenda a psicologia da pesuasão, e saiba mais sobre as motivações que nos levam a comprar. Arme-se com as armas dos vendedores para evitar cair nas suas armadilhas.

6. Começe passo a passo. Comece com pequenas vitórias. Esteja atento a todas as suas compras e desejos, e pergunte-se: "Isto faz parte da minha visão?" Vai tropeçar, mas isso faz parte do processo. O mundo quer que queira mais, e o mundo é um adversário forte.

Seja persistente na sua busca por menos e tente cercar-se de influências positivas - desde obras clássicas da literatura, até indivíduos que pensem da mesma forma e queiram ver-se livres da prisão do consumismo.

7. Perca-se. A compra é um processo onde nos perdemos dentro algo. Primeiro algo captura o nosso olhar, depois há o conflito interno (devemos comprá-lo?). Se nos convencemos a abdicar do nosso dinheiro, então vem a excitação de reivindicar a propriedade. Depois leva para casa o produto. E então usa-o.

É uma sequência de eventos emocionante - cheia de incertezas e possibilidades – pela qual nos deixamos levar. Mas o problema é que, na maior parte daz vezes termina com arrependimento, uma conta bancária depenada e todos os outros custos de possuir coisas.

O que precisa fazer é aprender a perder-se em actividades em vez de compras. Em vez de se entusiasmar com o lançamento do último iphone, aprenda a passar esse processo para um hobbie como a escrita, música ou desporto. Concentre-se em fazer coisas interessantes em vez de comprar coisas interessantes.


8. Compare os números. É provável que tenha uma paixão que tem despesas (como viajar ou ler) ou, pelo menos, gostaria de conseguir poupar algum dinheiro para uma altura mais dificil. Um truque simples que eu uso para evitar comprar coisas é comparar o custo dessa coisa particular, com as despesas da minha paixão.

Por exemplo, eu adoro viajar. Um bilhete de avião para uma cidade europeia custa entre 100 e 200 euros . Se eu for comprar um telémovel novo, mesmo que o meu ainda funcione, vou acabar por gastar o mesmo. Por isso eu pergunto-me "Será que um telemóvel novo vale sacrificar parte da despesa de uma viagem ao estrangeiro?" A maioria das vezes a resposta será um grande NÃO. Esta é uma boa forma de conseguir esquivar-se a fazer compras sem propósito.

Mesmo que a resposta seja "SIM", não há nada de mal nisso. Querer pouco não é ter de se privar daquilo que é importante para si, mas sim eliminar toda a desordem que vai crescendo e ocupando as nossas vidas. É eliminar aquilo que é supérfulo, que não nos faz falta.Mas certifique-se que está a ser honesto consigo mesmo e que este é o caminho que realmente deseja. Não há problema nenhum em querer ter coisas, se for isso o que o faz feliz.

1 comentário:

  1. Olá!
    "A Melhor mensagem de Natal é aquela que sai em silêncio de nossos corações e aquece com ternura os corações daqueles que nos acompanham em nossa caminhada pela vida."
    Bjs do tamanho do Mundo

    PS: me identifico plena/te!

    ResponderEliminar