12.05.2011

Desafio: Natal sem Consumismo

Siga-me no Twitter e Facebook.

Está preparado para começar a loucura do frenesim de compras em que participamos a cada Natal?

Você está com vontade de gastar um absurdo de dinheiro que provavelmente não tem - talvez até acumular dívidas no cartão de crédito - e pronto para o stress de comprar coisas para todos da sua lista?


Está pronto para consumir uma quantidade doida de recursos - pense só na quantidade de embalagens e papeis de embrulho - que vão ter um enorme impacto sobre o meio ambiente,  e ainda ter de trabalhar longas horas para pagar tudo isso?

Sim, é a temporada festiva de novo, e com isso vem a pior altura de consumismo de todo o ano.
Eu proponho abandonar toda esta loucura consumista e neste Natal dar atençao ao que é importante, até porque a altura não é para grandes gastos ou exageros.

Eu proponho um desafio a todos os meus leitores maravilhosos: Natal sem Presentes Novos.

O que é este desafio louco? É simples - é so seguir estas regras:

1. Não comprar presentes novos este Natal.

Espere, O quêêêê? Não se preocupe, existem alternativas:

> Fazer os seus proprios presentes, como peças de bijuteria ou artesanato.

> Prepare presentes comestiveis, tais como compotas, bolachas ou biscoitos.

> Ofereça um serviço como presente - lavar o carro, dar uma massagem, babysitting, limpar uma casa, jardinagem, pintar a casa, etc

> Comprar presentes em lojas de 2ª mão.

> Doar para a caridade em nome dessa pessoa.

> Fazer voluntariado numa instituição de caridade juntos.

> Ter uma experiência juntos, como ir ao jardim zoológico.

> Construir algo, em conjunto, em vez de consumir.

> Dar aos outros coisas que já não precisa (como uma máquina de costura em bom estado)

O objectivo e encontrar gratidão pelo que já temos.

Percebido? Aceite o desafio! Vai ser divertido, vai poupar muito dinheiro, e a sua família vai ficar mais criativa. Continue a ler.


A Tradição das Tradições

Muitas pessoas vão gozar, e dizer que adoram dar presentes. É uma tradição, afinal de contas!
Com certeza que sim. Mas novas tradições podem ser criadas quando as antigas não funcionam mais. E eu diria que a tradição de comprar toneladas de presentes, muitas vezes só por comprar, não nos serve mais.

Será que realmente queremos ensinar aos nossos filhos que dar é apenas uma questão material? Queremos ensinar-lhes que para mostrar amor, se deve comprar alguma coisa? Queremos dar o exemplo do consumismo, em vez da criatividade? Estamos a dizer que a única maneira de uma família e amigos se reunirem é gastando rios de dinheiro desnecessáriamente?

Não. Vamos ser mais criativos. Vamos criar novas tradições.

Que tipo de tradições? E se as famílias se reunirem para jogar jogos? Para construir coisas juntos? Para sair para o ar livre e caminhar, jogar a bola, brincar na neve, acampar? E ensinarem uns aos outros como fazer coisas?

E se as famílias se reunirem para ajudar os outros? Fazendo voluntariado numa sopa dos pobres, ou para limpar um bairro? Dar pode ser maravilhoso, e não tem que envolver o consumismo.

Seja criativo.


Mas... e as promoções! O dinheiro que vou poupar!

Acho que você já sabe isto, mas vale a pena lembrar que quando compra nos saldos ou promoções, não está a economizar dinheiro. Está a gastar. A melhor maneira de economizar dinheiro é não comprar nada.

Claro que temos algumas necessidades , mas as promoções nesta altura não são sobre necessidades. Elas servem para o convencer que todas essas TVs, iPads, iPods, consolas, roupas, ferramentas eléctricas e muito mais são necessidades. E não consegue escapar de ter de comprar todas essas coisas, porque é Natal caramba! Quando os lojistas fazem grandes promoções, esse é um bom momento para correr noutra direcção. Eles estão a leva-lo a comprar algo que não precisa.


Mas ... a minha família não vai nessa!

Primeiro, nem toda a sua família tem de fazer isto. Só você. Talvez pareça um excêntrico, e algumas pessoas não vão entender, mas estará liderando pelo exemplo. Envie-lhes um link para este post, e explique-lhes porque quer fazer isto. Só porque o mundo inteiro está a consumir em massa, não significa que você também tem de o fazer.

Em segundo lugar, não seja fatalista. A sua família pode estar disposta a mudar, se pelo menos abordar o assunto. Mais uma vez, envie um link para este post. Pergunte-lhes o que eles pensam disto. Desafie-os a ser criativos.

Isto pode ajudar a sua família a poupar bastante dinheiro, e o processo pode ser incrivelmente gratificante. Em vez de passarem horas a fazer compras afastados uns dos outros, podem estar mais tempo juntos. Simplesmente comemorem os feriados.

Fale sobre os benefícios da mudança, e os problemas na maneira como as coisas estão a ser feitas.
Esta época nem sempre foi sobre oferecer prendas. O que faziam as pessoas antes dos shoppings e lojas on-line? Como era dantes o Natal, lembrem-se disso.


Lidar com Pessoas Difíceis

Alguns amigos ou membros da família não vão acompanhá-lo. Isso é normal. Não se pode forçar ninguém. Lembre-se que cada um vai mudar ao seu próprio ritmo, e nem todos irão abraçar mudanças como esta. Eles podem sentir-se ameaçados, ou criticados, tente não o fazer, tenha uma abordagem positiva.

Diga-lhes que eles não são obrigados a acompanhá-lo, mas que você quer fazer isto, para a sua própria sanidade. Você está a tentar poupar dinheiro, mas principalmente porque deseja afastar-se do consumismo exagerado. Pedimos apenas que eles respeitem isso.

Seja paciente. Os outros não gostam de ser forçados a mudar, por isso seja mudança que você quer ver no mundo.



12.04.2011

A Regra Secreta para Mudar o que Quiser


















Siga-me no Twitter e Facebook.

Eu tenho aprendido muito sobre mudança de hábitos ao longo dos anos,  e tenho tentado passar esses ensinamentos a mais pessoas.

Os hábitos mais difíceis de mudar são, de longe, aqueles que as pessoas parecem não conseguir controlar. Elas querem mudar, mas parece que não conseguem encontrar a "força de vontade" necessária (um termo em que eu já não acredito).

Para mim, algumas das coisas que pareciam fugir do meu controle eram: fumar, comer "junk food", comer demasiado em ocasiões sociais, a procrastinação (adiar as coisas que se têm de fazer), paciência, e pensamentos negativos.

Mas ao longo do tempo eu aprendi um pequeno segredo que me permitiu mudar tudo isso:

Quando se está consciente, pode-se mudar.

OK, não começe já a revirar os olhos e a mudar de página. Isto pode parecer demasiado óbvio para alguns, ou demasiado simplista. Então, vamos aprofundar um pouco mais.

Quando temos desejos de comer alguma coisa que sabemos que não nos faz bem, muitas vezes cedemos à tentação, mas será assim tão simples? A verdade é que a nossa mente começa a racionalizar, porque devemos comer o bolo, porque é muito difícil não comê-lo, porque não é assim tão mau se o comer-mos. Perguntamos-nos porque é que nos estamos a privar, porque não podemos simplesmente aproveitar as coisas boas da vida, e porque não merecemos um pequeno prazer?